Home :: Departamento :: Apresentação

Apresentação

logo_dege_site

O Departamento de Estudos Germanísticos e Eslavos (DEGE), unidade orgânica do Instituto de Letras e Ciências Humanas (ILCH), desenvolve as suas atividades pedagógicas e científicas no âmbito da Língua, Linguística, Literatura e Cultura Alemãs e no âmbito da Língua e Cultura Russas, nos cursos de 1º ciclo (Línguas Aplicadas; Línguas e Literaturas Europeias; Estudos Culturais; Relações Internacionais; Negócios Internacionais e Direito), de 2º ciclo (Mestrado em Tradução e Comunicação Multilingue; Mestrado Bi-nacional em Estudos Luso-Alemães) e de 3º ciclo (Doutoramento em Modernidades Comparadas e Doutoramentos em Linguística, Ciências da Cultura e Literatura sem curso).

Desde a introdução dos Estudos Alemães na UM em 1990, estabeleceram-se relações de cooperação permanentes, nomeadamente com o DAAD (Intercâmbio Académico Alemão), o Instituto Goethe (protocolo oficial de cooperação entre o Instituto Goethe de Lisboa e a Universidade do Minho, desde 2002), com a Embaixada da Alemanha em Lisboa e com as Embaixadas da Áustria e da Suíça.

Ao longo dos anos, foi-se alargando a rede de intercâmbio no âmbito do Programa Erasmus+, sobretudo em países de expressão alemã (Alemanha e Áustria), mas também na Itália, na República Checa, na Polónia, na Roménia, na Bulgária e na Turquia.

A criação da Seção de Estudos Germanísticos e a sua posterior transformação em Departamento (DEG) sempre tem sido acompanhadas pela organização de eventos científicos e jornadas de divulgação de cultura dos países de língua alemã, bem como pela grande variedade de atividades de extensão como Teatro / Cantar em Alemão, a revista “Einfall”, o curso PETRA etc.. Estas dinâmicas continuam até ao presente, agora integrando também os Estudos Eslavos (DEGE), com historial próprio.

O Leitorado de Língua e Cultura Russas foi criado na Universidade do Minho em 1987. Entretanto, a partir de 2000 a língua russa começou a ser lecionada em várias licenciaturas: Línguas Estrangeiras Aplicadas (atualmente Línguas Aplicadas), Relações Internacionais, Negócios Internacionais, Línguas e Literaturas Europeias e Estudos Culturais.

A dinâmica do Russo na UMinho foi profundamente incentivada a partir da assinatura de protocolos com Universidades da Rússia. A Universidade do Minho assinou Protocolos de Cooperação com a Universidade Estatal de S. Petersburgo e a Universidade Estatal Linguística de Moscovo em maio de 1994 e maio de 1995, respetivamente. Em 2006 foi assinado mais um protocolo de cooperação científica e pedagógica entre a Universidade do Minho e a Universidade de Estatal das Relações Internacionais de Moscovo (MGIMO). Ao obrigo dos protocolos, muitos alunos que estudam russo fizeram estágio de língua russa naquelas universidades. Ao longo destes anos foram desenvolvidas várias atividades de carater científico, cultural e pedagógico. O contacto com a cultura russa promove-se através de vias muito diferenciadas, como concertos, conferências, serões de poesia, etc. que têm sido organizados regularmente pelos alunos que estudam a língua russa e tiveram como intervenientes artistas profissionais quer russos quer portugueses. A partir de 2005 foi decidido recomeçar a tradição da Semana da Língua e Cultura Russas tendo como atração principal a “Festa Russa” realizada exclusivamente por alunos que estudam a língua nas licenciaturas da UM e nos Cursos Livres. Em 2012, a Fundação Mundo Russo abriu, no espaço do DEGE, o Gabinete Mundo Russo, doando uma vasta biblioteca de livros, manuais e material audiovisual didático que funciona no quotidiano. O governo da Federação Russa atribui, anualmente, várias bolsas de estudo para alunos da UM que vão frequentar cursos de verão ou que querem desenvolver a sua licenciatura na Rússia.

O DEGE promove uma integração da aprendizagem do Alemão e do Russo no espírito do LLLL (life long language learning) na Região do Norte de Portugal, entendida – de acordo com a política geral da UM – como região de conhecimento.

Com a existência do DEGE, a Universidade do Minho destaca-se indubitavelmente, ao nível nacional, na oferta de formações universitárias com componentes de Estudos Alemães, no sentido transdisciplinar de German Studies, e de Estudos Eslavos, nos contextos científicos e profissionalizantes mais diversos.